Silicone faz brasileiras estudarem ação contra a Anvisa

Pacientes que colocaram próteses com silicone adulterado estão se organizando para pedir indenização pelos danos que sofreram com os implantes mamários das
marcas PIP e Rofil. O ressarcimento pode ser por danos materiais - pelo dinheiro gasto na compra das próteses -, morais e estéticos - no caso das pacientes que
tiveram a saúde afetada. O alvo do processo, até o momento, seria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
A advogada Soraya Casseb de Miranda Barbosa diz que cerca de 60 mulheres já entraram em contato com ela, interessadas em elaborar uma ação coletiva para pedir
a indenização.
A assessoria da Anvisa informou que a agência está acompanhando os casos das pacientes com os silicones das duas marcas, mas que não vai comentar nenhum
processo até ser notificada pela Justiça.
Segundo advogados consultados pelo G1 , todos que, de alguma forma, fizeram com que o produto chegasse até a consumidora lesada podem ser responsabilizados.
Em primeiro lugar, a lista inclui as importadoras que trouxeram as próteses ao Brasil - a PIP é francesa e a Rofil holandesa - e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária
(Anvisa), que fiscaliza todos os produtos relacionados à saúde que entram no país.
Dependendo do caso, o cirurgião também pode ser responsabilizado. A lei diz que, quando o consumidor quer processar uma empresa, só precisa provar que sofreu
algum dano. No caso de profissionais liberais, é preciso provar que essa pessoa teve alguma culpa - por negligência, imprudência ou imperícia. Contudo, se o médico
trabalhar com registro de pessoa jurídica, pode responder como uma empresa.
Para José Eduardo Tavolieri de Oliveira, advogado especialista em defesa do consumidor, a responsabilidade do cirurgião deve ser avaliada caso a caso.
"Tudo vai depender de como o médico ofereceu. Se ele falou 'esse aqui é o produto mais seguro do mundo', ele se comprometeu" , disse o advogado, que é Presidente
da Comissão de Direito e relações de consumo da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de São Paulo (OAB SP).
Principal responsável No entanto, Tavolieri não considera que os médicos sejam os principais responsáveis. "É claro que o responsável principal é a Anvisa, porque
tem a obrigação de testar os produtos que entram no Brasil e as melhores condições de fazer isso", opinou.
Na ação coletiva, Soraya Casseb de Miranda Barbosa, que é casada com um cirurgião plástico, tem a Anvisa como o alvo principal. "A classe médica foi enganada pela
Anvisa", avaliou a advogada.
Para ela, a prótese deve ser tratada como qualquer outro medicamento, nesse caso. "Já pensou se um hospital tivesse que fiscalizar todo remédio que entra lá?",
argumentou.
Segundo os advogados, um processo como esse é complexo e pode durar até dez anos...
... ver notícia completa em: G1 - Globo.com
Autor: Tadeu Meniconi Do G1, em São Paulo

Pacientes que colocaram próteses com silicone adulterado estão se organizando para pedir indenização pelos danos que sofreram com os implantes mamários das marcas PIP e Rofil. O ressarcimento pode ser por danos materiais - pelo dinheiro gasto na compra das próteses -, morais e estéticos - no caso das pacientes quetiveram a saúde afetada. O alvo do processo, até o momento, seria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A advogada Soraya Casseb de Miranda Barbosa diz que cerca de 60 mulheres já entraram em contato com ela, interessadas em elaborar uma ação coletiva para pedir a indenização.

A assessoria da Anvisa informou que a agência está acompanhando os casos das pacientes com os silicones das duas marcas, mas que não vai comentar nenhum processo até ser notificada pela Justiça.

Segundo advogados consultados pelo G1 , todos que, de alguma forma, fizeram com que o produto chegasse até a consumidora lesada podem ser responsabilizados.

Em primeiro lugar, a lista inclui as importadoras que trouxeram as próteses ao Brasil - a PIP é francesa e a Rofil holandesa - e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária(Anvisa), que fiscaliza todos os produtos relacionados à saúde que entram no país. Dependendo do caso, o cirurgião também pode ser responsabilizado. A lei diz que, quando o consumidor quer processar uma empresa, só precisa provar que sofreu algum dano. No caso de profissionais liberais, é preciso provar que essa pessoa teve alguma culpa - por negligência, imprudência ou imperícia. Contudo, se o médico trabalhar com registro de pessoa jurídica, pode responder como uma empresa.

Para José Eduardo Tavolieri de Oliveira, advogado especialista em defesa do consumidor, a responsabilidade do cirurgião deve ser avaliada caso a caso.

"Tudo vai depender de como o médico ofereceu. Se ele falou 'esse aqui é o produto mais seguro do mundo', ele se comprometeu" , disse o advogado, que é Presidente da Comissão de Direito e relações de consumo da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de São Paulo (OAB SP).

Principal responsável no entanto, Tavolieri não considera que os médicos sejam os principais responsáveis. "É claro que o responsável principal é a Anvisa, porque tem a obrigação de testar os produtos que entram no Brasil e as melhores condições de fazer isso", opinou.

Na ação coletiva, Soraya Casseb de Miranda Barbosa, que é casada com um cirurgião plástico, tem a Anvisa como o alvo principal. "A classe médica foi enganada pela Anvisa", avaliou a advogada. Para ela, a prótese deve ser tratada como qualquer outro medicamento, nesse caso. "Já pensou se um hospital tivesse que fiscalizar todo remédio que entra lá?", argumentou. Segundo os advogados, um processo como esse é complexo e pode durar até dez anos.

Autor: Tadeu Meniconi Do G1, em São Paulo

Publicado em 26/01/2012

Link para notícia